Walcyr Carrasco, autor de novelas, comenta sobre a tentativa dos militares em tirar "Amor e Revolução" do ar

23-04-2011 17:07

publicado originalmente no Blog do Walcyr na VEJASP

Que mania temos de esconder tudo embaixo do tapete!

A novela “Amor e Revolução”, de Tiago Santiago (SBT), mal estreou e já causou apreensão entre os militares. O Judiciário não aceitou o questionamento da novela. Mas houve uma tentativa de tirar a novela do ar. Eu me pergunto: qual o problema? Já se sabe que houve tortura durante o governo militar. Temos uma presidente que foi, ela própria, vítima da tortura. Então, por que a oposição dos militares a uma novela que quer, simplesmente, retratar um momento da História?

Os governos militares e a guerrilha produziram obras de arte de alto nível em países próximos. O filme argentino “A História Oficial” ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro. A chilena Isabel Allende escreveu livros de reconhecimento internacional, como “A Casa dos Espíritos” e “De Amor e de Sombras”. E nós?  Basta alguém tocar no tema e lá vem uma minicrise. Mas como projetar o futuro sem avaliar o passado?

Eu conheço jovens que não tem a menor idéia do que foi a Ditadura Militar. Pessoas sem consciência do que foi o país é que votam num palhaço para parlamentar, como se isso fosse engraçado. Não sabem valorizar a Democracia, que, com todos os seus problemas, ainda é a Democracia.

E o mesmo acontece em relação ao preconceito. Quando a novela “Insensato Coração” estreou, ouvi muitas reclamações de que o ator Lázaro Ramos “não servia” para o papel de galã. Para mim é preconceito, nada mais. Lázaro Ramos é um dos melhores atores do Brasil. Por que um negro não pode ser galã? As pessoas disfarçavam. Mas estavam escondendo o preconceito.

No entanto, todo mundo diz que no Brasil não existe preconceito. Mas existe sim. O pior, que é disfarçado.

Deveria haver uma campanha: “Nada Embaixo do Tapete”.

Tenho certeza que estaríamos caminhando para um país melhor.