Joana Limaverde se inspira em musas do cinema para viver a Stela de "Amor e Revolução"

17-07-2011 21:33

por Manu Moreira, publicado no UOL TELEVISÃO

 

Quando Joana Limaverde nasceu, em meados dos anos 70, o regime militar no Brasil passava pelo período da abertura "lenta, gradual e segura", comandada pelo general-presidente Ernesto Geisel. O que a atriz sabe sobre a ditadura brasileira, ela aprendeu na escola e em suas pesquisas pessoais. Hoje no ar como a artista e militante Stela, de "Amor e Revolução", do SBT, Joana buscou histórias das figuras femininas mais libertárias da época para compor sua personagem. "As atrizes Leila Diniz, Odete Lara, Norma Bengell e Anecy Rocha tinham uma urgência de se colocarem como cabeças pensantes e não só como belas. Diferentemente das moças 'bem comportadas' da sociedade", justifica.  

 
Stela iniciou no folhetim de Tiago Santiago, que se passa no período mais "linha dura" do regime, nos anos 60, como uma atriz sem nenhum envolvimento político. Nos capítulos atuais, a artista já aprendeu táticas de guerrilha e fez um aborto, por não crer que pode criar um filho e militar. "Ela representa a revolução feminista. É importante saber que não é só na ficção que essas mulheres existem", ressalta.


Nome: Joana Limaverde Soares Costa Sousa.
Nascimento: 4 de setembro de 1975, em São Paulo.
Na tevê: "Amor e Revolução", do SBT.
Ao que não assiste na tevê: "Programas que só tratam de crimes e violência".
Nas horas livres: "Brinco com minha filha".
No cinema: "O último filme que ri e chorei ao mesmo tempo enquanto assistia foi 'O Pequeno Nicolau'", conta, referindo-se ao longa francês de Laurent Tirard.
Música: "Prefiro MPB. Mas amo música em geral e não vivo sem".
Livro: "Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres", de Clarice Lispector.
Prato predileto: "Feijoada da mamãe".
Pior presente: "Não lembro de nenhum que tenha me marcado. E, se o presente não é bom, é só trocar por outro".
O melhor do guarda-roupa: "Macacão Stella McCartney".
Perfume: "Meu cheiro é segredo".
Mulher bonita: Camila Pitanga.
Homem bonito: Rodrigo Lombardi.
Cantor: Ednardo.
Cantora: Elis Regina.
Ator: Osmar Prado.
Atriz: Laura Cardoso.
Arma de sedução: "Agir com delicadeza".
Animal de estimação: "Minha filha tem uma porquinha-da-Índia. Também queremos ter um cachorro em breve".
Escritor: Clarice Lispector.
Programa de índio: "Se for do tipo dos índios mesmo, para viver tranquilo, no meio da mata, em equilíbrio com a natureza, acho lindo".
Melhor viagem: Grécia. "Foi uma viagem muito desejada pois sempre fui louca por mitologia grega".
Sinônimo de elegância: Ser sustentável.  
Melhor notícia: "Quando soube que estava grávida, há 6 anos".
Inveja: "De quem consegue trabalhar fora, cuidar dos filhos e da casa, malhar e ainda tem tempo para namorar e cuidar de si. Quantas horas tem o dia dessas pessoas?".
Ira: Injustiça.
Gula: "Tabletinho de chocolate amargo com café num dia frio".
Cobiça: "Ter um sítio cercado de verde, com uma hortinha orgânica, onde eu possa ir com frequência para recarregar as energias".
Preguiça: "De lidar com gente que só olha para o próprio umbigo".
Vaidade: "O importante é não extrapolar com ela. A medida certa é fundamental".
Mania: "De achar que os outros pensam e sentem como a gente".
Filosofia de vida: "Não fazer com os outros o que não gostaria que fizesse com você e amar o próximo como a si mesmo".