"Amor e Revolução" promete ser a novela de 2011

28-12-2010 22:08

 

por Hugo Azevedo

 http://files.umarosacomamor.webnode.com/200000028-08b0109aa7/tiago_santiago_jrjcartaz560.jpg

(Tiago Santiago, autor de "Amor e Revolução")

 

As emissoras estão preparando várias novidades em termos de novela para 2011, e investindo pesado em teledramaturgia. Muito se fala que as telenovelas estão chegando ao fim, mas o atual cenário nos mostra apenas uma mudança na forma de assistir as novelas, por exemplo, internet ou celular com tv, que as emissoras precisam se adaptar para resgatar e atingir os telespectadores. A telenovela é o maior produto da televisão brasileira, e ela quem mantem a audiência de 40 pontos no período noturno.

O SBT não foge à regra, e sentiu a necessidade de voltar a investir na teledramaturgia nacional. Começou com Revelação, de Iris Abravanel. Mas voltou a ser mais reconhecido com "Uma Rosa Com Amor", adaptação de Tiago Santiago.

Em 2011 não será diferente, e o SBT será o destaque do ano com escrita por Tiago Santiago, um dos grandes e jovem novelista da atualidade, com a colaboração de Renata Dias Gomes e Miguel Paiva. A novela de 2011 é "Amor e Revolução".

Ambientada no período da Ditadura Militar no Brasil, a nova trama do SBT, será exibida às 10 da noite, e por isso, contará com bastantes cenas de ação, torturas e o amor como pano de fundo para sobreviver a uma verdadeira revolução. Serão várias as histórias que serão contadas, de uma época que pouco se fala e pouco conhecida pelos brasileiros. Algumas tramas abordaram superficialmente esse período, mas "Amor e Revolução" pretende ir a fundo.

 

Claude (Cláudio Lins) e Serafina Rosa (Carla Marins) simulam como conversavam quando Nara (Mônica Carvalho) entrou na sala.

(Carla Marisn e Claudio Lins em "Uma Rosa Com Amor", exibida pelo SBT em 2010)

 

Com um elenco digno de novelas globais, selecionado por Sergio Madureira, produtor, Amor e Revolução será cuidadosamente dirigida por Reynaldo Boury, um dos grandes diretores de tv. Dentre os artistas, temos Lúcia Veríssimo, Claudio Lins, Thaís Pacholek, Graziella Scmitt, Antônio Petrin, Luciana Vendramini e um grande e talentoso elenco.

Um dos diferenciais de "Amor e Revolução" serão os depoimentos sobre a vivência de personalidades da tv e de outros meios à respeito da Ditadura Militar. Algumas dessas pessoas é o ator Carlos Vereza, com contrato com a TV Globo e a presidenta eleita Dilma Rousseff.

Serão vários os movimentos contra a ditadura, a própria protagonista Maria Paixão (Graziella Scmitt) será uma revolucionária e se voltará com a atual situação que se encontra o país e a população. Serão vários os momentos de emoção, de revolta, de indignação. É puramente amor e revolução.

Outras tramas, em outras emissoras, serão exibidas como um folhetim qualquer, mas "Amor e Revolução" chamará a atenção da mídia e do público, e todo cuidado com a novela deve ser pouco.

Muitas já são as expectativas geradas somente pelo anúncio do tema e de outras novidades da novela. Cabe agora, o SBT investir, trabalhar bem, mostrar que tem potencial e voltar com tudo para teledramaturgia. Ah! E tem que corresponder as expectativas do telespectador. A televisão é feita pelo e para os telespectadores. Sem o público não existe novela.

Agora só nos resta aguardar e esperar para ver "Amor e Revolução" no ar e confirmar ou não o seu sucesso e sua promessa de grande trama para 2011.